30 de dez de 2015

Como se situa o Brasil no mundo da Automação Residencial?

A AURESIDE efetuou um levantamento relacionando os principais mercados de Automação Residencial no mundo (Estados Unidos e os quatro países europeus mais evoluídos neste setor).

O resultado é apresentado no gráfico e na tabela mostrados neste artigo


Os números apurados no final de 2015 mostram ainda um grande potencial de mercado no Brasil que pode ser explorado nos próximos anos. Devem ser ressaltados alguns fatores adicionais que reforçam esta tese:
  • mesmo nestes mercados mais maduros, foi experimentado um aumento significativo na penetração dos sistemas automatizados na residencias. Tanto na América do Norte como nos principais países da Europa Ocidental o crescimento de 2015 em relação a 2014 foi da ordem de 2 dígitos (entre 11 e 20%)
  • contribuíram para isso o lançamento de novos produtos conectados, bem como a participação crescente de grandes corporações, tanto da área de Internet das Coisas como concessionárias de Telecom e de energia
  • os números no mercado brasileiro ainda são insignificantes, conforme mostra a tabela, mas pesquisas frequentes indicam que o consumidor brasileiro é adepto da tecnologia na sua vida diária num grau ainda maior que dos países citados

Este estudo também pode ser baixado em PDF neste link

29 de dez de 2015

SmarTV da Samsung se torna um hub de automação residencial

Fonte: PCMag (dez 2015)

A casa conectada está prestes a ficar ainda mais ligada: a Samsung está  transformando o seu monitor de TV em um controlador de casa inteligente.

Todos  os modelos SUHD 2016 da Samsung (ou "Superior 4K UHD")  virão com tecnologia Internet das Coisas e serão um hub do SmartThings, permitindo aos usuários controlar luzes, fechaduras, termostatos, alto-falantes, câmeras e outros eletrodomésticos, segundo anuncio da empresa.

Com preguiça de sair do sofá para escurecer as luzes ou desligar o streaming de música? Basta pegar o controle remoto da TV para gerenciar dispositivos diretamente através do app SmartThings na tela grande do monitor. (E se você perdeu o controle entre as almofadas do sofá, uma versão móvel do aplicativo está disponível no seu smartphone.)

"O programa  2016 da nossa Smart TVs vai oferecer aos consumidores novas possibilidades e sedimentar a posição de liderança de mercado da Samsung como a primeira empresa a lançar TVs com IOT embarcada", diz Hyun Suk Kim, presidente da Samsung em um comunicado.

Os usuários podem pausar um filme para verificar quando as visitas chegam e abrir a porta da frente - sem sair do sofá nem largar a pipoca...

Mas, para tirar o máximo proveito dos produtos SmartThings compatíveis em casa, você vai precisar de mais do que apenas um novo aparelho de televisão: Conecte seu SUHD TV com um Extender USB da SmartThings (gratuito). Este "gateway" vai então adicionar suporte para dispositivos ZigBee e Z-Wave de sua casa..

27 de dez de 2015

Um novo modelo de loja para vender Automação Residencial

Fonte: Twice.com

Quando a Target abriu sua nova loja em San Francisco no início deste ano, com o nome de "Open House" ela sinalizou que o mercado de casas inteligentes e da Internet das Coisas (IoT) estava finalmente saindo do mundo de amadores hobbystas.

Como esses produtos estão entrando no mainstream do consumidor, a Target percebeu que precisava de uma presença no varejo diferente e um foco maior voltado a explicar os benefícios destes novos produtos inovadores.

O Open House foi o resultado, um destino de varejo que era experimental, parte do consumidor e parte um laboratório para estes novos dispositivos, com mesas interativas, um ambiente de simulação instalado no meio da loja com produtos conectados no local, e um sistema de acompanhamento orientado colher dados do sistema para ver onde as pessoas iam dentro da casa e quais itens lhes chamavam a atenção.

A avaliação destes dados levou à recente redefinição da loja, inclusive com a perspectiva do Natal bem próximo. Pesquisando,  descobriu-se mais do que está atraindo a atenção dos consumidores, e dos seus interesses e assim a loja e a seleção de produtos mudaram. Por exemplo, com a percepção da importância das plataformas comuns que permitem dispositivos diferentes falarem entre si, existe agora uma área de laboratório onde os visitantes podem obter uma melhor compreensão dos ecossistemas que se interligam
.
Mas talvez a parte mais interessante deste protótipo é saber o que fazer para continuar a trazer os produtos mais recentes e inovadoras para loja. Como estes são novos produtos em novos mercados, o funil normal de varejo de produtos, compradores e empresas estabelecidas, não funciona particularmente bem. Em vez disso, a Target escolheu utilizar um conceito de "curadoria".

Para a cadeia de desconto, curadoria significa a capacidade de avaliar rapidamente as novas tecnologias, entender como elas se encaixam no ecossistema global, e, em seguida, a melhor forma de apresentá-las para o seu público. Para isto, o varejista escolheu começar um trabalho com a Indiegogo, um site líder de financiamento aberto e coletivo (crowdfunding) , para encontrar as empresas que estão sendo financiados por eles no momento. Assim foi iniciada uma parte da redefinição de loja, onde Indiegogo e suas startups agora comandam um ambiente do local.

Para escolher as novas empresas cujos produtos serão incluídos na Open House, os funcionários da Target durante duas semanas, levam produtos, instalam e procuram conectá-los em outros produtos existentes ou produtos de Internet das coisas. Eles consideram ainda o design dos produtos, e quão bem eles são avaliados pelo público. E eles dão grande peso à forma como esses produtos "se conectam bem com os outros", pois eles vêem isso como a chave para o crescimento do mercado.

Isto é importante porque a Open House é uma fração do tamanho de uma linha completa desta loja da Target. Como Adam Laskowitz, arquiteto sênior em experiência do usuário e membro da equipe de iniciativas de crescimento empresarial da Target, explicou, "Para a quantidade de metragem quadrada que temos, não há muitos lugares para mostrar produtos, por isso, queriemos saber onde está realmente o desejo dos clientes."

Além disso, como toda a ambientação é muito importante para testar a percepção, isso é levado em conta também. Por exemplo, na secção "quarto" da casa, clicar em um botão inicia um cenário de acordar de manhã com estes produtos.Criamos quase uma história muito completa em torno da saúde e bem-estar, que é uma categoria super importante para Target . "

Em última análise, o Open House não é apenas uma incubadora para estes produtos, mas para a própria Target global. Já foram feitas alterações à forma como o varejista vende estes produtos online, com base em suas experiências com o Open House. E o modelo também começou a alimentar os produtos às lojas Target "normais" que se mostraram promissores, mas não chegam a atender a curadoria da Open House em si.

Enquanto isso, a relação com Indiegogo começou a se expandir para ajudar as empresas jovens, levando-as a obter mais informações sobre o "varejo pronto" antes que seus produtos cheguem às prateleiras. Desta forma, o Open House não está apenas ajudando Target, mas ao longo do tempo parece tornar-se um elemento importante no crescimento do mercado global. E desta forma, eles realmente estão ajudando a todos, acima de tudo, o consumidor.

26 de dez de 2015

O que é 5G? E quando estará disponível?

Fonte: CNN Money

Apenas cinco anos após o primeiro smartphone 4G chegar ao mercado, a indústria sem fio já está se preparando para 5G.


Hoje nos EUA, cada uma das quatro operadoras de telefonia celular em todo o país, bem como os fabricantes de chips de smartphone e as grandes empresas de equipamentos de rede estão trabalhando no desenvolvimento de tecnologia de rede 5G para seus clientes.

Há muitos obstáculos significativos que todos os players da indústria tem que resolver antes que você veja um pequeno símbolo 5G ao lado das barras de sinal na tela do seu smartphone. Por exemplo, ainda temos que determinar o que 5G significa, como ele vai se comportar e quando ele vai chegar aqui.

Mas como os consumidores continuam utilizando quantidades crescentes da banda 4G , por exemplo assistindo streaming de vídeos em seus telefones, o 5G em breve se tornará uma necessidade. Como os engenheiros de telecomunicações trabalham arduamente para desenvolver tecnologia 5G, estamos recebendo uma imagem cada vez mais clara de quem, o quê, onde, quando e porquê do 5G.

O que é 5G?

O "G" em 3G, 4G e 5G significa "geração". Então 5G será a quinta geração da tecnologia de rede sem fio.
As normas para 5G ainda não foram definidas. De acordo com Bill Smith, presidente de operações de rede da AT & T, 5G provavelmente será definida em 2018, e as normas para 5G serão codificadas em algum momento em 2019 pelos padrões de definição da União Internacional das Telecomunicações, uma agência das Nações Unidas. Os padrões irão determinar quais as tecnologias sem fio poderão ser chamadas de "5G", bem como quais as características deve incluir, e quão rápido ele será.

Ainda assim, é possível fazer uma suposição sobre o que será semlehante ao 5G  com base nas tecnologias emergentes 5G que a indústria sem fio está experimentando.

Aqui está o panorama: 5G será mais rápido, mais inteligente e gastará menos energia do que 4G, permitindo uma série de novos aparelhos sem fio. 5G vai deixar nossos smartphones mais rápidos, será utilizado em mais dispositivos para casas inteligentes e em aparelhos vestíveis (wearable) cuja autonomia será mais duradoura.

Quanto mais rápido será o 5G?

5G tem o potencial de oferecer velocidades até 40 vezes maiores do que 4G - rápido o suficiente para transmitir vídeo "8K" em 3-D ou baixar um filme 3-D em cerca de 6 segundos (aquele que em 4G, levaria 6 minutos).

Infelizmente para os consumidores, há uma diferença entre os experimentos de laboratório e a realidade. Velocidades de pico são divertidas de se sonhar, mas no mundo real, as velocidades reais são muito mais lentas do que o prometido.
Nokia, um dos maiores desenvolvedores 5G, acredita que sua tecnologia 5G permitirá velocidades reais de cerca de 100 Megabits por segundo quando a rede estiver mais congestionada - que é cerca de quatro vezes mais rápido do que a velocidade máxima atual do 4G.

Outra característica do 5G é que ele terá latência ultra-baixa, o que significa que ele pode reduzir drasticamente a quantidade de tempo que leva para a rede responder aos seus comandos. Isso pode dar a aparência de que o carregamento sites, aplicativos, vídeos e mensagens seja muito mais rápido.

Como vai funcionar?

Muitas das experiencias das empresas especializadas em transmissão wireless estão ocorrendo em frequências muito altas - tão altas quanto 73,000 MHz. Como referencia, redes de telefonia celular de hoje transmitem sinal em uma escala de 700 MHz a 3.500 MHz.

A vantagem de sinais de alta freqüência é que eles são capazes de fornecer velocidades de dados significativamente mais rápidos. A desvantagem é que elas viajam distâncias muito menores e não podem penetrar facilmente nas paredes. Isso significa que milhares - talvez milhões - de mini torres de celular, ou "pequenas células" teriam de ser colocadas em cima de cada poste de luz, cada edifício, dentro de cada casa e, potencialmente, em todos os ambientes.

Isto apresenta uma série de problemas. Como podem as empresas de telefonia celular processar todos esses dados? Há empresas, como a recentemente adquirida Alpental do Google, que estão a trabalhar sobre essas questões "backhaul". Mas eles não estão tão perto de uma solução, de acordo com Akshay Sharma, analista de infraestrutura sem fio da Gartner.

É por isso que 5G pode complementar 4G, em vez de substituí-lo plenamente. Em edifícios e em áreas congestionadas, 5G pode fornecer um impulso de velocidade. Mas quando você estiver dirigindo numa estrada, 4G pode ser sua única opção - pelo menos por um tempo.

Quando vai chegar o 5g?

Nenhuma dessas questões vai ser respondida por enquanto. Há um consenso na indústria de que vão ser executadas experiências 5G na Coreia do Sul durante os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, com implantações em massa começando em algum momento em 2020.

No entanto, a Verizon disse que está trabalhando na tecnologia 5G com o objetivo de trazê-lo para o mercado muito mais cedo - tão cedo quanto 2017

Com todas as questões em torno 5G e todas os desafios que precisam ser resolvidos, é extremamente improvável que qualquer coisa  que Verizon  desenvolva não será amplamente implantada inicialmente. Por exemplo, os fabricantes de smartphones vão precisar ainda desenvolver chips que são capazes de enviar e receber sinal de 5G sem custos significativamente mais elevados na transmissão.

23 de dez de 2015

Um projeto piloto de automação residencial e health care

Fonte: TheFastMode


A terceira maior operadora de serviços móveis de Singapura,  M1 , numa parceria com a incorporadora de imóveis Keppel lançou um projeto piloto utilizando conceitos de casa inteligente e health care

O programa piloto, apelidado como "Vidas Inteligentes" (Smart Lives) terá a duração de 12 meses, começando no início de 2016, Nas 622 unidades do condomínio escolhido, o Luxurie, trinta famílias serão selecionadas para desfrutar de um conjunto de sistemas de casa inteligente e soluções de cuidados com a saúde.

Para começar, a solução de automação residencial está baseada em um HUB de Internet das Coisas (IoT), bem como câmeras, sensores de contato e de movimento e um conjunto de software que pode enviar alertas disparados por arrombamentos ou quando for detectado movimento em áreas limite.

Já solução healtcare inteligente, por outro lado, vai ajudar os moradores a partilharem os seus dados de saúde com seus médicos através do gateway IoT que pode capturar, analisar e transferir as informações remotamente, deixando-as disponíveis na nuvem.

18 de dez de 2015

Escritórios inteligentes serão tendencia em 2016


Fonte: Casadomo (Espanha)

Smartphones, Tablets e sistemas de videoconferência estão presentes nos "escritórios 3.0", onde a tecnologia se integra ao design

Mais e mais empresas estão empenhadas em integrar a tecnologia nos projetos de seus escritórios. De grandes multinacionais a pequenas e médias empresas, todas estão comprometidas com a inovação e escritórios inteligentes. É uma tendência irreversível. O  estúdio de arquitetura especializado Hermarta analisa as principais características dos agora chamados "escritórios 3.0".

Escritório inteligente ou escritórios 3.0 estão se tornando um fenômeno. Muitos estudos confirmam que estes unem tecnologia e design inovadores para tornar mais atraente o espaço de trabalho. Uma das tecnologias mais presentes hoje nos escritórios é a comunicação à distância, ou seja, videoconferência. Assim, o trabalho colaborativo pode ser centralizado numa sala de reuniões com o uso de um único dispositivo, como um tablet. Ele também pode ser programado para ajustar a intensidade da luz, a altura das cortinas, o que está sendo projetado na tela, a climatização, etc.

O design e tecnologia são importantes não só para melhorar a funcionalidade do escritório, mas também para projetar uma boa imagem de marca. Na verdade, é uma parte muito importante do branding. Enquanto várias empresas  já estão se envolvendo na introdução de novas tecnologias, aquelas que ainda não o fizeram é porque faltam informações sobre os benefícios que eles trazem à produtividade do trabalho e gestão de negócios. Entre as organizações que estão mais comprometidas com os avanços tecnológicos, incluem-se  empresas multinacionais e empresas de médio porte que trabalham com clientes estrangeiros.

As empresas estão também cada vez mais conscientes da necessidade de cuidar de seus colaboradores. Num escritório moderno,o tratamento acústico é um fator crítico, onde estes podem manter contato com seus pares, mas suficientemente 'protegidos' para serem isolados do barulho.  E, claro, esses escritórios ideais também contam com as mais recentes tecnologias que incluem todos os tipos de dispositivos e aplicações os quais muitas vezes são apenas para uso de seus funcionários.

12 de dez de 2015

Adoção de dispositivos para casa inteligente deve crescer muito em cinco anos

Fonte: Computerdealernews

Automação Residencial ainda é um mercado emergente, mas isso pode mudar muito em breve.

Novos dados da Juniper Research sugerem que as vendas de equipamentos de automação autônomos  vai ultrapassar  U$ 300 milhões em 2020. No contexto atual isto representa um crescimento de 1.000 por cento da atual base instalada de 28 milhões de unidades.

Os pesquisadores atribuem este crescimento a uma abordagem mais aberta dos dispositivos, preços mais baixos e maior conscientização como fatores que impulsionam a sua adoção.

No seu relatório denominado Smart Home Ecossistemas e da Internet das Coisas: Estratégias e Previsões 2015-2020, a Juniper descobriu que graças a esta nova abordagem, o mercado agora será mais parecido com os ecossistemas, em vez de uma coleção de dispositivos autônomos. Várias plataformas, incluindo SmartThings, Wink, e Qivicon da Deutsche Telekom estão tirando o controle dos prestadores de serviços que atualmente dominam a cena.

Os varejistas também irão desempenhar um papel fundamental para ajudar os consumidores a entender o valor de uma casa inteligente, disse o relatório.

"Esforços como Open House da Target; um centro de demonstração das funcionalidades destes sistemas oferece aos consumidores uma compreensão rápida dos benefícios da casa inteligente ", disseram os pesquisadores em um comunicado. "No entanto, o varejo continua a buscar uma  colocação de produtos mais eficaz, uma educação pessoal do morador e o fato de que muitas marcas permanecem desconhecidas para os consumidores."


O relatório também descobriu que os modelos de assinatura mensal devem trilhar ainda um longo caminho e não vão decolar até que os equipamentos obtenham seu lugar definitivo. Enquanto isso, conclui o relatório, as empresas de Automação Residencial objetivando atingir o mercado global estão "deixando de atender às demandas do mercado local, o que dificulta o seu progresso."

19 de nov de 2015

Turma 12 do Curso "Projetando Sistemas de Audio & Video"

Concluída neste dia 18 em São Paulo mais uma turma do Curso "Projetando Sistemas de Audio & Video Residenciais" ministrado pelo Eng. Claudio Marins.

Tivemos participantes de todas as regiões do Brasil, a quem desejamos muito sucesso na aplicação dos conteúdos recebidos.

Avaliação do programa recebeu 100% de excelente o que nos deixa muito satisfeitos por ter atendido as necessidades dos colegas participantes!

Também agradecemos a colaboração muito significativa de nossos associados Discabos e Yamaha pela cessão dos equipamentos e produtos demonstrados no decorrer do curso! Até a próxima!

27 de out de 2015

Lançamento do projeto "Convergência 2016"

Um coquetel informal reuniu hoje em São Paulo, no Espaço Ettore, profissionais e empresas das áreas de segurança eletrônica, automação residencial e predial.
Promovido pela AURESIDE e pela SIA, o evento marcou o lançamento do projeto "Convergência 2016" que propõe uma aproximação entre os dois mercados em função dos novos modelos de negócios observados nos projetos prediais mais recentes.
Para saber mais sobre esta iniciativa, clique neste link

23 de out de 2015

Projeto Prédio Eficiente em Recife


A etapa Nordeste do projeto Prédio Eficiente foi realizada hoje no auditório de eventos da  III Feicon Nordeste, principal evento da Construção Civil da região que acontece no Centro de Convenções de Pernambuco em Olinda. Houve apresentações da AURESIDE e dos patrocinadores Biltech e Finder e o evento contou com a presença de mais de 100 profissionais da região.

22 de out de 2015

Turma 94 realizada em Recife

Encerrada hoje em Recife a 94a turma do Curso de Integrador de Sistemas Residenciais. Nesta edição tivemos a participação de nossos associados Biltech, Finder, MSato e Qualihouse, a quem agradecemos.
Aos participantes desta turma desejamos sucesso em suas novas atividades!
Próximas turmas vão acontecer em novembro em São Paulo e em Ribeirão Preto no inicio de dezembro e serão as ultimas deste ano. Mais informações no site do curso

11 de out de 2015

Automação Residencial cria valor para o produto imobiliário

(Fonte: artigo traduzido do site www.cea.org - publicado em junho de 2015)

Muitos de nós nos lembramos da busca de nossa primeira casa acompanhados de um corretor de imóveis. Talvez a bancada de granito ou a vista do terreno tenha sido a característica que nos convenceu que aquela seria a nossa casa de sonho. Mas hoje as coisas mudaram. A tecnologia está ligando casas e isto está começando a fazer a diferença na forma como elas são compradas e vendidas.

A indústria de eletrônicos de consumo está cumprindo a promessa da casa inteligente com produtos mais fáceis de usar, além de sistemas e serviços para ajudar os consumidores a gerir as suas casas, muitas vezes a partir de seus smartphones. Conectado à Internet através de uma rede doméstica para acesso remoto, monitoramento e controle, estes aparelhos trazem aos seus proprietários conveniência, segurança, acessibilidade, entretenimento e eficiência.

A Coldwell Banker recentemente organizou um painel com executivos da CNET, os membros da CEA como  LG, Lutron e Sengled bem como Nest e Tesla numa conferência de tendências denominada Gathering of Eagles para discutir as últimas inovações em casa inteligente. As empresas falaram sobre os benefícios e desafios de se conectar dispositivos domésticos à Internet e uns aos outros.

Ben Bixby, da Nest, disse: "Nós continuamos a oferecer atualizações de software para adicionar inteligência aos dispositivos que já estão em suas paredes. É para onde estamos indo. - A casa mais inteligente, mais consciente que aprende e sincroniza-se com você "

É evidente que o mercado está crescendo. Um estudo da CEA e Parks Associates sobre a Internet das Coisas prevê  que o mercado de termostatos inteligentes, fechaduras, detectores de fumaça e interruptores de luz vai expandir de 20,7 milhões de unidades em 2014 para 35,9 milhões de unidades em 2017.

John Taylor da LG acrescentou: "Uma das novas tecnologias que estamos introduzindo é chamado Home Chat. Nós gostamos de pensar nisso como um assistente pessoal digital que permite que você realmente converse com seus aparelhos. "

Segundo Coldwell Banker, num levantamento com  500 associados de vendas, mais de 61 % dos agentes concordaram que eles estão vendo mais compradores interessados ​​em controlar sua tecnologia de casa através do seu smartphone ou tablet do que há dois a cinco anos atrás.

Assim, empresas de eletrônicos domésticos  têm agora a oportunidade de alinhar suas marcas com uma equipe de corretores de imóveis treinados que entendem o poder da tecnologia. E quando os corretores de imóveis podem facilmente explicar aos seus clientes como os produtos da casa inteligente são um novo benefício,e a casa pode ser vendida mais rapidamente ou com um preço mais elevado, trata-se de uma vitória para todos.

29 de set de 2015

Pela primeira vez uma turma do curso de integrador é realizada em Belém do Pará

Encerrou-se na semana passada (23 de setembro) a 93a turma do curso de integrador de sistemas da AURESIDE, desta vez realizada em Belém do Pará. O curso aconteceu nas dependências do UNIVERSITEC, incubadora de empresas de tecnologia da UFPA (Universidade Federal do Pará) através de uma parceria com a AURESIDE. Mais informações sobre o evento podem ser vistas neste link

13 de set de 2015

Conheça os objetivos do Instituto da Automação

Assista ao video de apresentação do Instituto da Automação, projeto da AURESIDE para capacitação e atualização profissional na área de Automação Residencial e Predial


8 de set de 2015

Alguns destaques da IFA Berlin 2015 esta semana

Debates e apresentações acontecem durante a edição 2015 da IFA Berlin. Separamos alguns dos destaques que mencionam a Automação Residencial na imagem abaixo (clique para ampliar)


26 de ago de 2015

SEBRAE INTELIGENCIA aponta em relatório o potencial da Automação Residencial

Divulgado nesta data, o boletim produzido pelo SEBRAE INTELIGENCIA  traduz em números e em tendencias positivas o potencial latente das soluções de Automação Residencial no cenário da construção civil atual. É possível baixar este relatório completo clicando aqui


10 de ago de 2015

The Wall Street Journal: Sobre casas inteligentes...

(Traduzido e adaptado de artigo publicado em 6 de agosto de 2015)

Até o final deste ano, cerca de 20 milhões de famílias nos EUA terão algum tipo de dispositivo de "casa inteligente", o dobro de 2012, de acordo com a Strategy Analytics Inc., uma firma de pesquisa de mercado de tecnologia global com sede em Newton, Massachusetts . Apple, Google e Samsung estão lançando plataformas com uma gama de produtos para este mercado. Construtores de moradias estão incluindo cada vez mais sistemas e aplicativos pré-programados de modo que os proprietários podem controlar remotamente a sua iluminação, climatização, música, fechaduras, câmeras e dispositivos de segurança. Até mesmo alguns apartamentos de aluguel estão sendo equipados com estes sistemas agora.

Mais pessoas podem agora abrir a porta da frente antes de chegar do trabalho, manter um olho sobre a irrigação das plantas de longe e comandar a máquina de café para ligar quando os sensores detectam que elas já deram um passo para fora da cama.

Mas alguns proprietários encontram-se frustrados com a proliferação desta tecnologia doméstica . Eles se queixam de sistemas complexos para tarefas simples, como ter que usar "algoritmos de aprendizagem" para acender luzes. Percebem que suas preferências talvez não tenham sido bem entendidas. Como resultado, eles estão sendo mais seletivos sobre quais destas amenidades tecnológicas serão instaladas em suas casas.

Paul Wright não é um entusiasta da tecnologia nato  Mas ele se preocupa com economia de energia. Como diretor do Instituto de Energia e Clima de Berkeley e professor de Engenharia Mecânica na Universidade de Berkeley, a sua investigação inclui materiais inteligentes, objetos inteligentes e projeto de sistemas de sensores sem fio.

Mas no ano passado, quando o Sr. Wright, de 68 anos, recebeu como presente de aniversário um "termostato inteligente" com programação própria , que envia um alerta se a casa está muito quente ou muito fria e pode ser controlado a partir de um smartphone, ele o deixou em uma prateleira, onde ainda está, desinstalado, hoje. "Não vale a pena", diz ele.

Mike Fitzpatrick, um fabricante de móveis de 53 anos em West Borough, Mass., estima que  gastou 60.000 dólares ao longo dos últimos anos-assim como centenas de horas de angústia com um sistema de automação e controle inteligente que deveria deixá-lo controlar as luzes, áudio / vídeo, temperatura e segurança em sua casa de 5.000 pés quadrados.

"Eu sou um cara muito prático, mas mesmo eu não consigo descobrir o que fazer quando algo dá errado", diz ele. Luzes piscando constantemente,  campainha desligada e os controladores não funcionam. Agora, quando ele renova uma casa, ele aconselha seus clientes a evitar tais sistemas automatizados.

Já um porta-voz da Control4, um sistema que é usado por Toll Brothers (uma grande construtora de casas), diz que as pesquisas da empresa mostram satisfação do cliente e que a sua rede de concessionárias está bem treinada em atendimento ao cliente. O porta-voz acrescenta que o Sr. Fitzpatrick tinha equipamentos de iluminação incomuns que não eram compatíveis com o tipo de dimmers Control4 instalados; e garante que o problema foi sanado.

A chave para o sucesso para obter casas inteligentes é reduzir o número de passos necessários para obter a integração, diz Therese Peffer, que vem estudando termostatos por mais de uma década como pesquisador no Instituto Califórnia de Energia e Meio Ambiente, em Berkeley. Em um estudo, ela escreveu sobre a utilização de termostatos inteligentes e tradicionais. Ms. Peffer percebeu que os  participantes tiveram particularmente pouca tolerância quando chamados aparelhos inteligentes, usando algoritmos de aprendizagem, aplicativos alterados de forma incorreta com base em padrões de comportamento de um sujeito porque eles aprenderam algo errado (por exemplo, se alguém veio para casa mais cedo um dia, que se tornou um novo "padrão" para o aparelho).

Alguns proprietários dizem que o que realmente importa é o apoio. Don Stanutz,  engenheiro químico de 64 anos, contratou uma empresa de instalação local chamado IGS Homeworks para instalar um sistema que lhe permite controlar todas as luzes em sua casa de 7.000 pés quadrados. Ele diz que o monitoramento 24/7 já o salvou um número de vezes quando as coisas deram errado. "Eu só quero funções simples, tipo ligado e desligado. Isso é tanto quanto eu quero estar envolvido ", diz ele.

Outros encontraram aplicações inusitadas para seus sistemas domésticos inteligentes. Michael e Suzanne Wastvedt têm um sistema  Nexia  que acompanhou a nova casa que eles compraram em San Diego no ano passado. Sra Wastvedt, 45, uma designerer de interiores, configurou o sistema ela mesma e Mr. Wastvedt, 45, um contador, rapidamente descobriu como fazê-lo também para atender suas necessidades: Agora, quando ele chama seus filhos para jantar e eles não vêm para baixo, ele corta remotamente fora do X-Box e TV; ambos monitorar o progresso de seus empreiteiros e paisagistas usando a câmera de vídeo. "Temos certeza de que eles estão realmente lá-e não apenas fazendo hora e, em seguida, saindo mais cedo", diz a Sra Wastvedt.

Mike Hoffman, que também vive em San Diego, descobriu outra aplicação incomum para o seu sistema de Nexia. O engenheiro de 53 anos de idade, percebeu que algo estava errado na cobertura de sua banheira de água quente. O principal suspeito: Gus, seu grande labrador amarelo, que o Sr. Hoffman especulava que se sentasse na capa quente da banheira em sua ausência. Gus nunca fazia isto quando o Sr. Hoffman estava em casa. Assim, o Sr. Hoffman conectou suas câmeras, sensores de movimento e a torneira automática ao seus sistema de monitoramento sem fio, permitindo-lhe controlar remotamente todos eles.

Apontando a torneira e uma de suas câmeras de segurança para a banheira de água quente, ele foi trabalhar e, monitorou os eventos  no seu computador. Com certeza, Gus se sentou na cobertura quente, e o Sr. Hoffman activou de imediato a torneira. "Você tem que discipliná-los no ato", explica ele.



1 de ago de 2015

Projeto Prédio Eficiente - visita guiada à CasaE Basf

Fechando a semana do Congresso Habitar, a AURESIDE realizou um encontro entre associados e congressistas nas dependências da CasaE para um tour guiado e apresentação das soluções de automação utilizadas na casa pelos apoiadores do projeto Prédio Eficiente

Nesta edição, contamos com a participação da Biltech, D-Link, Flexautomation e Associação KNX,

31 de jul de 2015

XIV Congresso Habitar e VI Predialtec encerrados hoje em SP

A edição 2015 do Congresso Habitar terminou nesta 5a feira, Nos três dias foram discutidos temas relevantes como as tendencias em aplicativos para domótica, a relação entre construção civil e o mercado de automação residencial, smart grid e eficiência das edificações. Congressistas de todo o Brasil estiveram presentes aos debates e palestrantes de alto nível conduziram as discussões.
Um workshop de segurança eletrônica e minicursos ministrados pelos fabricantes completaram o programa de atividades.
Mais detalhes sobre o programa podem ser conferidos em www.congressohabitar.com.br

Foi realizada simultaneamente e sexta edição da Expo Predialtec que reuniu expositores com suas novidades em soluções e sistemas de automação. O evento contou com uma significativa cobertura da mídia nos tres dias de realização. Alguns videos podem ser vistos visitando nossa fan page no Facebook

17 de jul de 2015

Integrador de Sistemas: turma do Rio de Janeiro encerrada hoje

Mais uma turma do Curso de Integrador de Sistemas Residenciais foi realizada pela AURESIDE. Desta vez, foi a turma 91 no Rio de Janeiro. Contamos também com a presença de nossas empresas associadas Ambiente G3, Discabos, Flex Automation, Legrand e S-Bus a quem agradecemos pela participação.

Desejamos aos colegas participantes desta turma muito sucesso em sua nova atividade!

10 de jul de 2015

Alto crescimento reflete a democratização da Automação Residencial

Tradução de artigo publicado no site SourceSecurity.com

Há não muito tempo atrás a ideia de automação residencial era estritamente voltada a uma faixa privilegiada da população, os mais ricos. Com custos que chegavam a atingir US $ 100.000 ou mais, o controle de climatização, iluminação, portas e segurança através de uma única fonte simplesmente não estava no orçamento para a grande maioria da população americana.

Isso foi antes, mas agora é uma história completamente diferente. A "casa conectada", em que smartphones e tablets servem como controladores para dispositivos habilitados para a Internet passou para o mainstream. Integradores ainda estão atuando em sistemas de maior complexidade, mas empresas como Apple, Google, Comcast e AT & T se juntaram a outros gigantes da segurança eletronica, como a Honeywell ea ADT na venda de soluções mais acessíveis aos moradores em geral.

Os números apontam para um mercado em expansão. No final de 2016, haverá 44 milhões de domicílios com serviço de "casa inteligente" a nível mundial - contra apenas 9 milhões no final de 2014. Espera-se que estes serviços produzam uma receita de cerca de US $ 5 bilhões por ano, de acordo com Rawlson O'Neil King, Diretor de CABA.

As reduções no custo estão colocando a domótica ao alcance de um maior número de pessoas.Os custos caíram mais de 50%. Ainda é um valor considerável, mas está se tornando viável se planejado durante a aquisição ou construção da casa.

Integradores de automação também estão tomando emprestado soluções da indústria da segurança, oferecendo hardware como um chamariz para aumentar a receita decorrente de taxas mensais de serviço.

"Esta nova oferta é a adição de mais valor agregado para o consumidor, pois eles tendem a ser mais inclinados a adquirir sistemas mais integrados", explica King. "Eles também são mais propensos a continuar pagando por esse sistema ao longo do tempo do que se fosse simplesmente um alarme, que está ficando cada vez mais comoditizado todos os dias."

As companhias de cabeamento e de telecomunicações também começaram a adicionar automação residencial para as suas outras ofertas de produtos. Eles começaram com monitoramento de segurança e mais recentemente têm adotado a mistura com automação residencial.

"Os prestadores de serviços neste espaço são predominantemente empresas de segurança de monitoramento de alarme com foco no segmento residencial do mercado", diz Alper Cetingok, Diretor Geral e Chefe de Segurança, Defesa e Governo Serviços.

Estas empresas têm alcançado taxas de penetração de mercado de cerca de 20 por cento dos domicílios dos EUA. Com um mercado tão grande, essas empresas têm uma oportunidade perfeita para expandir suas ofertas e aumentar o seu valor para os clientes existentes, de acordo com Cetingok.

"Se você ouvir alguns prognósticos do mercado, eles sugerem que a introdução de casa inteligente tem o potencial de aumentar as taxas de penetração de mercado de cerca de 40 por cento - uma duplicação do mercado endereçável", acrescenta.

Domótica como um produto e serviço não é nada novo. Só a CABA já promove isto há mais de 25 anos.

"A principal diferença agora é o fato de que a tecnologia é mais penetrante", diz King. "É mais difundida por causa da rápida expansão do acesso à Internet de banda larga - especialmente nas grandes áreas urbanas. Em seguida, automação residencial tem, talvez, seu maior impulso com o surgimento dos smartphones.

Estes computador de bolso feito sob medida poderia fazer mais do que apenas fazer chamadas e receber e-mail. Eles também permitiram que as tecnologias baseadas em aplicativos que efetivamente colocar o controle na mão de todos. Essa tem sido a chave para democratizar automação residencial e criar a Smart Home para quase todos.

(por Randy Southerland)


4 de jul de 2015

Turma 11 do curso Projetando Sistemas de Audio & Video

Encerrada hoje em São Paulo, no Espaço Ettore, a 11a turma do curso "Projetando Sistemas de Áudio & Vídeo Residenciais" ministrada pelo instrutor do Instituto da Automação, eng. Claudio Marins.
Contamos com o importante apoio de nossos associados Yamaha e Discabos que contribuiram com a cessão de equipamentos para demonstração durante o programa.
Resultado da avaliação realizada entre os alunos ao final do curso:
- Nível de conhecimento e desenvoltura do instrutor: 95% excelente 4% bom
- Organização do curso: 74% excelente 26% bom
- Instalações físicas oferecidas: 74% excelente 26% bom
Parabenizamos todos os participantes a quem desejamos muito sucesso em seus projetos!

18 de jun de 2015

Comportamento do mercado de Automação Residencial: uma pausa para reflexão

Um novo relatório do Argus Insights, da Califórnia., afirma que, apesar de automação residencial ter obtido grande atenção e experimentado um robusto crescimento em 2014, o setor agora está "perdendo rapidamente o ímpeto." De acordo com um comunicado de imprensa emitido ontem, levantamento de dados mostram que a partir de maio 2015 a demanda dos consumidores por dispositivos domésticos conectados, como termostatos, lâmpadas, fechaduras, sensores e câmeras experimentou sua primeira queda abaixo do nível de um ano atrás, um sinal de que o interesse do consumidor mostra sinais de estagnação.

Mas há uma boa notícia neste relatório: a de que "a análise de mercado detalhada da razão por trás dos consumidores mostrarem interesse em declínio parece abrir a porta para um aumento do nível de oportunidades para os fabricantes e para os profissionais do mercado de casas conectadas."

Sinal de que, embora os produtos sejam cada vez mais conectáveis e simples em sua essência, o trabalho de consultores, projetistas e integradores ainda é e será por um bom tempo imprescindível para melhor aproveitar os benefícios da tecnologia doméstica.

Fonte pesquisada: www.sdmmag.com 

1 de jun de 2015

Qual o tamanho do mercado norte americano de Automação Residencial?


Estudo publicado pela CEDIA recentemente aponta os seguintes números para o mercado de Automação Residencial nos EUA:
- volume de negócios de U$ 14 bilhões anuais
- cerca de 8500 empresas integradoras
- estas empresas entregam na média 50 projetos ao ano e existem há 16 anos
- entre 2012 e 2014 o mercado cresceu a uma taxa de 10 a 12% no número de projetos

Comparativamente, no ultimo levantamento feito pela AURESIDE no final de 2013, tivemos estes dados:
- temos cerca de 600 empresas integradoras
- cada uma entrega em média 18 projetos ao ano
- apenas 28% destas empresas se dedicam exclusivamente à Automação Residencial
- o crescimento no numero de projetos entre 2010 e 2013 foi da ordem de 25 a 30% ao ano

A AURESIDE inicia uma nova pesquisa e pretende atualizar estes números até a próxima edição do Congresso Habitar no final de julho

27 de mai de 2015

Mais uma turma do Curso de Integrador realizada

Encerrada hoje a turma de numero 89 do Curso de Integrador da AURESIDE. Mais uma vez tivemos a participação de empresas associadas fazendo rápidas apresentações de seus produtos e soluções durante o treinamento. Nesta turma participaram Iluflex, Alumbra, AmbienteG3, itecHome, Hayden e Globus, a quem agradecemos pela presença.
O curso foi realizado no Espaço Ettore, na Aclimação em São Paulo.
Próximas turmas estão agendadas para Brasilia (junho) e Rio de Janeiro (julho).
Mais detalhes sobre o Curso de Integrador, visite sua Home Page

15 de mai de 2015

Tecnomultimedia Infocomm encerrada hoje em SP

A segunda edição deste evento terminou hoje em São Paulo. A AURESIDE esteve presente com stand durante os tres dias da exposição e também levou seu projeto Prédio Eficiente para a grade de palestras do evento. Participaram nossos associados Biltech, Finder, Flex Automation, Globus e MyWay, a quem agradecemos mais uma vez pelo apoio. Veja algumas imagens do evento.




28 de abr de 2015

Etapa Salvador - Projeto Prédio Eficiente

Realizada hoje em Salvador mais uma etapa do Projeto Prédio Eficiente. Contamos com a participação de nossos apoiadores Biltech, Finder, Flex Automation e Globus. Muitos profissionais da região prestigiaram o evento participando durante todo o dia das palestras e apresentações de produtos.
Mais informações sobre o projeto, visitar www.predioeficiente.com.br


3 de abr de 2015

Terceira idade abraça a idéia da casa inteligente

Fonte: USA Today (2 de abril de 2015)


Com uma população idosa crescente, sendo que muitos destes idosos querem permanecer em suas casas o maior tempo possível, projetar casas e comunidades especiais ​​ao envelhecimento está se tornando uma prioridade para os construtores de visão. E ao contrário da percepção popular, as gerações mais velhas estão tão interessados ​​como os mais jovens em soluções de automação residencial, especialmente aquelas que irão ajudar a tornar o envelhecimento gradativo sem sair de casa numa realidade,

Em uma pesquisa patrocinada pela Merrill Lynch e Age Wave, os aposentados que querem permanecer em suas comunidades estão procurando a tecnologia mais atual que possa automatizar funções e tornar a manutenção da casa mais fácil. O estudo constatou:
  • 80% dos aposentados estão interessados ​​em novas tecnologias para reduzir as despesas de sua casa, como termostatos inteligentes, eletrodomésticos ou aplicativos para programar 
  • 76% estão interessados ​​em tecnologias para monitorar sua saúde em casa ,: tais como sensores, alertas ou aplicativos lembrete medicação.
  • 67% estão interessados ​​em tecnologias de casa para ajudá-los a otimizar sua saúde ,: tais como dispositivos de purificação do ar, de aquecimento de piso ou que ajudem a melhorar o sono.
  • 58% estão interessados ​​em tecnologias para ajudá-los a manter a limpeza da sua casa, como aspiração central 

13 de mar de 2015

AURESIDE comemora 15 anos com edição especial de revista

Para registrar os quinze anos de atividade, a AURESIDE preparou uma revista em edição especial com matérias e artigos que relembram a sua trajetória até aqui e destaca os principais projetos realizados e em andamento, como o Curso de Integrador, o Projeto Conectar, o Prédio Eficiente, o Congresso Habitar e o lançamento do Instituto da Automação. A distribuição da edição impressa já começou! Todos os nossos associados vão receber pelo correio o seu exemplar.
A versão online também está disponível. Veja a integra clicando aqui



III Forum AURESIDE termina com evento único

Com a presença de especialistas representando empresas de alta tecnologia, encerrou-se ontem em São Paulo o III Forum AURESIDE. Foram tres dias de apresentações gratuitas oferecidas aos visitantes da ISC 2015, feira de segurança eletronica que aconteceu em São Paulo

21 de fev de 2015

Mercado de edificações inteligentes deve ter forte crescimento

O  mercado mundial de casas e prédios "inteligentes" deverá crescer a uma taxa anual média significativa de 29,5% entre 2013 e 2020. Isso é atribuído ao aumento dos custos de energia e várias iniciativas de governo. Algumas das principais iniciativas incluem regulamentações como a CBI (Commercial Buildings Initiatives) emitida  pelo governo dos Estados Unidos que tem como objetivo fazer todos os edifícios comerciais completamente independentes de energia até 2025. Isto implica que os edifícios comerciais devem possuir equipamentos que geram energia localmente. A eficiência energética tornou-se a necessidade do momento, uma vez que é esperado que a demanda de energia aumente em 40% entre 2010 e 2040. O principal elemento restritivo para o crescimento é o alto investimento inicial que é necessário para que as  tecnologias prediais funcionem de forma integrada.

O valor percebido versus a questão do custo ainda é uma preocupação que está impactando as taxas de adoção. Aumentar o nível de integração das tecnologias utilizadas em casas e edifícios inteligentes vai aos poucos nos levar ao conceito ampliado de "Cidades Inteligentes".

Para saber mais, veja link original do estudo da Allied Market Research 

10 de jan de 2015

CES 2015 termina e mostra que a Internet das Coisas pode chegar antes do que se espera

Encerrada ontem em Las Vegas, a CES que dita as tendencias na área de eletrônica de consumo enfatizou bastante a proximidade da Internet das Coisas (IoT) chegando de vez ao mercado. O CEO da Samsung, por exemplo, afirmou que a IoT vai instalar em nossas casas diversos sensores e atuadores que terão diferentes propósitos. É fato incontestável que o uso amplo dos smartphones, atualmente a principal interface dos usuários com a IoT,  vai facilitar ainda mais a sua propagação.

No entanto todos concordam que os novos equipamentos da IoT devem ser de uso amigável e confiável. Isto é importante pois, de forma geral, a venda de eletrônicos diminuiu 1% este ano apesar do aumento considerável da venda de smartphones e smartwatches.

Muitas empresas começaram a trabalhar sobre o conceito de Internet das Coisas e mostraram estas novidades na exposição. Elas estão agora ansiosas para que os consumidores aceitem trocar seus equipamentos atuais por dispositivos conectados e inteligentes.

A boa noticia também é que muitos dos gigantes da tecnologia já abraçaram esta ideia o que garante que o seu desenvolvimento terá grande consistência nos próximos anos. Fica também a questão de como os diversos governos vão encarar esta nova face da tecnologia.e a sua regulamentação, quando for o caso.

Artigo recomendado:  "Casas conectadas à Internet viram realidade na CES 2015"

6 de jan de 2015

A Internet das Coisas e a Automação Residencial

Estudos recentes comprovam que o setor mais popular e com maior estimativa de crescimento dentro da chamada "Internet das Coisas" é o das casas conectadas. No ano de 2014 as principais empresas de alta tecnologia fizeram movimentos decididos com direção a este mercado. Trata-se de uma tendência definitiva, comprovada por inúmeros estudos efetuados por empresas de pesquisa de mercado.

A IoT motiva o interesse dos consumidores. Uma pesquisa da Ericsson, que detecta as tecnologias que irão se espalhar em 2015, apontou que as casas inteligentes são um dos maiores desejos em 23 países, incluindo o Brasil. Cerca de 55% dos entrevistados manifestaram interesse em possuir sensores capazes de avisar sobre pequenos incidentes domésticos, como inundações, entupimento de ralos ou falhas em eletrodomésticos, por exemplo, e 49% gostariam de receber alertas sobre a entrada e saída de pessoas da casa.
Antenada com esta tendencia de grande importância, a AURESIDE através do Instituto da Automação vai trazer em breve um curso inédito sobre este tema. Veja detalhes deste treinamento clicando aqui

4 de jan de 2015

No "novo mundo" da Automação Residencial, os integradores deixarão de existir?

Num interessante artigo publicado neste final de ano, denominado "Automação, como a conhecemos, está mudando", Heather L. Sidorowicz escreve:
"Será que os integradores de sistemas vão deixar de existir nesse novo mundo?  Não. De acordo com o CEDIA Benchmarking " as empresas de instalação / integração de Sistemas encerraram 2013 com um aumento de 15 por cento na receita bruta e esperam fechar 2014  com um aumento de 20 por cento sobre 2013. Nossa indústria está mudando basicamente de vendas de hardware para vendas de serviços.  38% empresas indicam um aumento moderado de serviços / vendas em 2014  (acima de 29% em 2013) ao mesmo tempo que 23% indicam um declínio moderado nas vendas de hardware ... Nós precisamos lembrar de vender soluções, não produtos - para podermos chegar a algum lugar. Adotar a solução certa será sinônimo de sucesso . Automação, tal como a conhecemos está mudando; agora é a hora de aprender, compreender, reposicionar e crescer."
A matéria completa pode ser acessada neste link