30 de dez de 2015

Como se situa o Brasil no mundo da Automação Residencial?

A AURESIDE efetuou um levantamento relacionando os principais mercados de Automação Residencial no mundo (Estados Unidos e os quatro países europeus mais evoluídos neste setor).

O resultado é apresentado no gráfico e na tabela mostrados neste artigo


Os números apurados no final de 2015 mostram ainda um grande potencial de mercado no Brasil que pode ser explorado nos próximos anos. Devem ser ressaltados alguns fatores adicionais que reforçam esta tese:
  • mesmo nestes mercados mais maduros, foi experimentado um aumento significativo na penetração dos sistemas automatizados na residencias. Tanto na América do Norte como nos principais países da Europa Ocidental o crescimento de 2015 em relação a 2014 foi da ordem de 2 dígitos (entre 11 e 20%)
  • contribuíram para isso o lançamento de novos produtos conectados, bem como a participação crescente de grandes corporações, tanto da área de Internet das Coisas como concessionárias de Telecom e de energia
  • os números no mercado brasileiro ainda são insignificantes, conforme mostra a tabela, mas pesquisas frequentes indicam que o consumidor brasileiro é adepto da tecnologia na sua vida diária num grau ainda maior que dos países citados

Este estudo também pode ser baixado em PDF neste link

29 de dez de 2015

SmarTV da Samsung se torna um hub de automação residencial

Fonte: PCMag (dez 2015)

A casa conectada está prestes a ficar ainda mais ligada: a Samsung está  transformando o seu monitor de TV em um controlador de casa inteligente.

Todos  os modelos SUHD 2016 da Samsung (ou "Superior 4K UHD")  virão com tecnologia Internet das Coisas e serão um hub do SmartThings, permitindo aos usuários controlar luzes, fechaduras, termostatos, alto-falantes, câmeras e outros eletrodomésticos, segundo anuncio da empresa.

Com preguiça de sair do sofá para escurecer as luzes ou desligar o streaming de música? Basta pegar o controle remoto da TV para gerenciar dispositivos diretamente através do app SmartThings na tela grande do monitor. (E se você perdeu o controle entre as almofadas do sofá, uma versão móvel do aplicativo está disponível no seu smartphone.)

"O programa  2016 da nossa Smart TVs vai oferecer aos consumidores novas possibilidades e sedimentar a posição de liderança de mercado da Samsung como a primeira empresa a lançar TVs com IOT embarcada", diz Hyun Suk Kim, presidente da Samsung em um comunicado.

Os usuários podem pausar um filme para verificar quando as visitas chegam e abrir a porta da frente - sem sair do sofá nem largar a pipoca...

Mas, para tirar o máximo proveito dos produtos SmartThings compatíveis em casa, você vai precisar de mais do que apenas um novo aparelho de televisão: Conecte seu SUHD TV com um Extender USB da SmartThings (gratuito). Este "gateway" vai então adicionar suporte para dispositivos ZigBee e Z-Wave de sua casa..

27 de dez de 2015

Um novo modelo de loja para vender Automação Residencial

Fonte: Twice.com

Quando a Target abriu sua nova loja em San Francisco no início deste ano, com o nome de "Open House" ela sinalizou que o mercado de casas inteligentes e da Internet das Coisas (IoT) estava finalmente saindo do mundo de amadores hobbystas.

Como esses produtos estão entrando no mainstream do consumidor, a Target percebeu que precisava de uma presença no varejo diferente e um foco maior voltado a explicar os benefícios destes novos produtos inovadores.

O Open House foi o resultado, um destino de varejo que era experimental, parte do consumidor e parte um laboratório para estes novos dispositivos, com mesas interativas, um ambiente de simulação instalado no meio da loja com produtos conectados no local, e um sistema de acompanhamento orientado colher dados do sistema para ver onde as pessoas iam dentro da casa e quais itens lhes chamavam a atenção.

A avaliação destes dados levou à recente redefinição da loja, inclusive com a perspectiva do Natal bem próximo. Pesquisando,  descobriu-se mais do que está atraindo a atenção dos consumidores, e dos seus interesses e assim a loja e a seleção de produtos mudaram. Por exemplo, com a percepção da importância das plataformas comuns que permitem dispositivos diferentes falarem entre si, existe agora uma área de laboratório onde os visitantes podem obter uma melhor compreensão dos ecossistemas que se interligam
.
Mas talvez a parte mais interessante deste protótipo é saber o que fazer para continuar a trazer os produtos mais recentes e inovadoras para loja. Como estes são novos produtos em novos mercados, o funil normal de varejo de produtos, compradores e empresas estabelecidas, não funciona particularmente bem. Em vez disso, a Target escolheu utilizar um conceito de "curadoria".

Para a cadeia de desconto, curadoria significa a capacidade de avaliar rapidamente as novas tecnologias, entender como elas se encaixam no ecossistema global, e, em seguida, a melhor forma de apresentá-las para o seu público. Para isto, o varejista escolheu começar um trabalho com a Indiegogo, um site líder de financiamento aberto e coletivo (crowdfunding) , para encontrar as empresas que estão sendo financiados por eles no momento. Assim foi iniciada uma parte da redefinição de loja, onde Indiegogo e suas startups agora comandam um ambiente do local.

Para escolher as novas empresas cujos produtos serão incluídos na Open House, os funcionários da Target durante duas semanas, levam produtos, instalam e procuram conectá-los em outros produtos existentes ou produtos de Internet das coisas. Eles consideram ainda o design dos produtos, e quão bem eles são avaliados pelo público. E eles dão grande peso à forma como esses produtos "se conectam bem com os outros", pois eles vêem isso como a chave para o crescimento do mercado.

Isto é importante porque a Open House é uma fração do tamanho de uma linha completa desta loja da Target. Como Adam Laskowitz, arquiteto sênior em experiência do usuário e membro da equipe de iniciativas de crescimento empresarial da Target, explicou, "Para a quantidade de metragem quadrada que temos, não há muitos lugares para mostrar produtos, por isso, queriemos saber onde está realmente o desejo dos clientes."

Além disso, como toda a ambientação é muito importante para testar a percepção, isso é levado em conta também. Por exemplo, na secção "quarto" da casa, clicar em um botão inicia um cenário de acordar de manhã com estes produtos.Criamos quase uma história muito completa em torno da saúde e bem-estar, que é uma categoria super importante para Target . "

Em última análise, o Open House não é apenas uma incubadora para estes produtos, mas para a própria Target global. Já foram feitas alterações à forma como o varejista vende estes produtos online, com base em suas experiências com o Open House. E o modelo também começou a alimentar os produtos às lojas Target "normais" que se mostraram promissores, mas não chegam a atender a curadoria da Open House em si.

Enquanto isso, a relação com Indiegogo começou a se expandir para ajudar as empresas jovens, levando-as a obter mais informações sobre o "varejo pronto" antes que seus produtos cheguem às prateleiras. Desta forma, o Open House não está apenas ajudando Target, mas ao longo do tempo parece tornar-se um elemento importante no crescimento do mercado global. E desta forma, eles realmente estão ajudando a todos, acima de tudo, o consumidor.

26 de dez de 2015

O que é 5G? E quando estará disponível?

Fonte: CNN Money

Apenas cinco anos após o primeiro smartphone 4G chegar ao mercado, a indústria sem fio já está se preparando para 5G.


Hoje nos EUA, cada uma das quatro operadoras de telefonia celular em todo o país, bem como os fabricantes de chips de smartphone e as grandes empresas de equipamentos de rede estão trabalhando no desenvolvimento de tecnologia de rede 5G para seus clientes.

Há muitos obstáculos significativos que todos os players da indústria tem que resolver antes que você veja um pequeno símbolo 5G ao lado das barras de sinal na tela do seu smartphone. Por exemplo, ainda temos que determinar o que 5G significa, como ele vai se comportar e quando ele vai chegar aqui.

Mas como os consumidores continuam utilizando quantidades crescentes da banda 4G , por exemplo assistindo streaming de vídeos em seus telefones, o 5G em breve se tornará uma necessidade. Como os engenheiros de telecomunicações trabalham arduamente para desenvolver tecnologia 5G, estamos recebendo uma imagem cada vez mais clara de quem, o quê, onde, quando e porquê do 5G.

O que é 5G?

O "G" em 3G, 4G e 5G significa "geração". Então 5G será a quinta geração da tecnologia de rede sem fio.
As normas para 5G ainda não foram definidas. De acordo com Bill Smith, presidente de operações de rede da AT & T, 5G provavelmente será definida em 2018, e as normas para 5G serão codificadas em algum momento em 2019 pelos padrões de definição da União Internacional das Telecomunicações, uma agência das Nações Unidas. Os padrões irão determinar quais as tecnologias sem fio poderão ser chamadas de "5G", bem como quais as características deve incluir, e quão rápido ele será.

Ainda assim, é possível fazer uma suposição sobre o que será semlehante ao 5G  com base nas tecnologias emergentes 5G que a indústria sem fio está experimentando.

Aqui está o panorama: 5G será mais rápido, mais inteligente e gastará menos energia do que 4G, permitindo uma série de novos aparelhos sem fio. 5G vai deixar nossos smartphones mais rápidos, será utilizado em mais dispositivos para casas inteligentes e em aparelhos vestíveis (wearable) cuja autonomia será mais duradoura.

Quanto mais rápido será o 5G?

5G tem o potencial de oferecer velocidades até 40 vezes maiores do que 4G - rápido o suficiente para transmitir vídeo "8K" em 3-D ou baixar um filme 3-D em cerca de 6 segundos (aquele que em 4G, levaria 6 minutos).

Infelizmente para os consumidores, há uma diferença entre os experimentos de laboratório e a realidade. Velocidades de pico são divertidas de se sonhar, mas no mundo real, as velocidades reais são muito mais lentas do que o prometido.
Nokia, um dos maiores desenvolvedores 5G, acredita que sua tecnologia 5G permitirá velocidades reais de cerca de 100 Megabits por segundo quando a rede estiver mais congestionada - que é cerca de quatro vezes mais rápido do que a velocidade máxima atual do 4G.

Outra característica do 5G é que ele terá latência ultra-baixa, o que significa que ele pode reduzir drasticamente a quantidade de tempo que leva para a rede responder aos seus comandos. Isso pode dar a aparência de que o carregamento sites, aplicativos, vídeos e mensagens seja muito mais rápido.

Como vai funcionar?

Muitas das experiencias das empresas especializadas em transmissão wireless estão ocorrendo em frequências muito altas - tão altas quanto 73,000 MHz. Como referencia, redes de telefonia celular de hoje transmitem sinal em uma escala de 700 MHz a 3.500 MHz.

A vantagem de sinais de alta freqüência é que eles são capazes de fornecer velocidades de dados significativamente mais rápidos. A desvantagem é que elas viajam distâncias muito menores e não podem penetrar facilmente nas paredes. Isso significa que milhares - talvez milhões - de mini torres de celular, ou "pequenas células" teriam de ser colocadas em cima de cada poste de luz, cada edifício, dentro de cada casa e, potencialmente, em todos os ambientes.

Isto apresenta uma série de problemas. Como podem as empresas de telefonia celular processar todos esses dados? Há empresas, como a recentemente adquirida Alpental do Google, que estão a trabalhar sobre essas questões "backhaul". Mas eles não estão tão perto de uma solução, de acordo com Akshay Sharma, analista de infraestrutura sem fio da Gartner.

É por isso que 5G pode complementar 4G, em vez de substituí-lo plenamente. Em edifícios e em áreas congestionadas, 5G pode fornecer um impulso de velocidade. Mas quando você estiver dirigindo numa estrada, 4G pode ser sua única opção - pelo menos por um tempo.

Quando vai chegar o 5g?

Nenhuma dessas questões vai ser respondida por enquanto. Há um consenso na indústria de que vão ser executadas experiências 5G na Coreia do Sul durante os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, com implantações em massa começando em algum momento em 2020.

No entanto, a Verizon disse que está trabalhando na tecnologia 5G com o objetivo de trazê-lo para o mercado muito mais cedo - tão cedo quanto 2017

Com todas as questões em torno 5G e todas os desafios que precisam ser resolvidos, é extremamente improvável que qualquer coisa  que Verizon  desenvolva não será amplamente implantada inicialmente. Por exemplo, os fabricantes de smartphones vão precisar ainda desenvolver chips que são capazes de enviar e receber sinal de 5G sem custos significativamente mais elevados na transmissão.

23 de dez de 2015

Um projeto piloto de automação residencial e health care

Fonte: TheFastMode


A terceira maior operadora de serviços móveis de Singapura,  M1 , numa parceria com a incorporadora de imóveis Keppel lançou um projeto piloto utilizando conceitos de casa inteligente e health care

O programa piloto, apelidado como "Vidas Inteligentes" (Smart Lives) terá a duração de 12 meses, começando no início de 2016, Nas 622 unidades do condomínio escolhido, o Luxurie, trinta famílias serão selecionadas para desfrutar de um conjunto de sistemas de casa inteligente e soluções de cuidados com a saúde.

Para começar, a solução de automação residencial está baseada em um HUB de Internet das Coisas (IoT), bem como câmeras, sensores de contato e de movimento e um conjunto de software que pode enviar alertas disparados por arrombamentos ou quando for detectado movimento em áreas limite.

Já solução healtcare inteligente, por outro lado, vai ajudar os moradores a partilharem os seus dados de saúde com seus médicos através do gateway IoT que pode capturar, analisar e transferir as informações remotamente, deixando-as disponíveis na nuvem.

18 de dez de 2015

Escritórios inteligentes serão tendencia em 2016


Fonte: Casadomo (Espanha)

Smartphones, Tablets e sistemas de videoconferência estão presentes nos "escritórios 3.0", onde a tecnologia se integra ao design

Mais e mais empresas estão empenhadas em integrar a tecnologia nos projetos de seus escritórios. De grandes multinacionais a pequenas e médias empresas, todas estão comprometidas com a inovação e escritórios inteligentes. É uma tendência irreversível. O  estúdio de arquitetura especializado Hermarta analisa as principais características dos agora chamados "escritórios 3.0".

Escritório inteligente ou escritórios 3.0 estão se tornando um fenômeno. Muitos estudos confirmam que estes unem tecnologia e design inovadores para tornar mais atraente o espaço de trabalho. Uma das tecnologias mais presentes hoje nos escritórios é a comunicação à distância, ou seja, videoconferência. Assim, o trabalho colaborativo pode ser centralizado numa sala de reuniões com o uso de um único dispositivo, como um tablet. Ele também pode ser programado para ajustar a intensidade da luz, a altura das cortinas, o que está sendo projetado na tela, a climatização, etc.

O design e tecnologia são importantes não só para melhorar a funcionalidade do escritório, mas também para projetar uma boa imagem de marca. Na verdade, é uma parte muito importante do branding. Enquanto várias empresas  já estão se envolvendo na introdução de novas tecnologias, aquelas que ainda não o fizeram é porque faltam informações sobre os benefícios que eles trazem à produtividade do trabalho e gestão de negócios. Entre as organizações que estão mais comprometidas com os avanços tecnológicos, incluem-se  empresas multinacionais e empresas de médio porte que trabalham com clientes estrangeiros.

As empresas estão também cada vez mais conscientes da necessidade de cuidar de seus colaboradores. Num escritório moderno,o tratamento acústico é um fator crítico, onde estes podem manter contato com seus pares, mas suficientemente 'protegidos' para serem isolados do barulho.  E, claro, esses escritórios ideais também contam com as mais recentes tecnologias que incluem todos os tipos de dispositivos e aplicações os quais muitas vezes são apenas para uso de seus funcionários.

12 de dez de 2015

Adoção de dispositivos para casa inteligente deve crescer muito em cinco anos

Fonte: Computerdealernews

Automação Residencial ainda é um mercado emergente, mas isso pode mudar muito em breve.

Novos dados da Juniper Research sugerem que as vendas de equipamentos de automação autônomos  vai ultrapassar  U$ 300 milhões em 2020. No contexto atual isto representa um crescimento de 1.000 por cento da atual base instalada de 28 milhões de unidades.

Os pesquisadores atribuem este crescimento a uma abordagem mais aberta dos dispositivos, preços mais baixos e maior conscientização como fatores que impulsionam a sua adoção.

No seu relatório denominado Smart Home Ecossistemas e da Internet das Coisas: Estratégias e Previsões 2015-2020, a Juniper descobriu que graças a esta nova abordagem, o mercado agora será mais parecido com os ecossistemas, em vez de uma coleção de dispositivos autônomos. Várias plataformas, incluindo SmartThings, Wink, e Qivicon da Deutsche Telekom estão tirando o controle dos prestadores de serviços que atualmente dominam a cena.

Os varejistas também irão desempenhar um papel fundamental para ajudar os consumidores a entender o valor de uma casa inteligente, disse o relatório.

"Esforços como Open House da Target; um centro de demonstração das funcionalidades destes sistemas oferece aos consumidores uma compreensão rápida dos benefícios da casa inteligente ", disseram os pesquisadores em um comunicado. "No entanto, o varejo continua a buscar uma  colocação de produtos mais eficaz, uma educação pessoal do morador e o fato de que muitas marcas permanecem desconhecidas para os consumidores."


O relatório também descobriu que os modelos de assinatura mensal devem trilhar ainda um longo caminho e não vão decolar até que os equipamentos obtenham seu lugar definitivo. Enquanto isso, conclui o relatório, as empresas de Automação Residencial objetivando atingir o mercado global estão "deixando de atender às demandas do mercado local, o que dificulta o seu progresso."