13 de jan de 2018

CES 2018: Aproximação entre a Casa Inteligente e as Seguradoras

Fonte: Meio & Mensagem
Historicamente, a principal relação das companhias de seguros com seus consumidores é avisá-los de pagar as contas ou ir resgatar o seguro quando alguma coisa ruim acontece. Casas inteligentes oferecem as seguradoras a oportunidade de estreitar os laços com seus clientes, segundo Jennifer Kent, diretora de pesquisa e desenvolvimento de produtos da Parks Associates.
“Pense, por exemplo, sobre os tipos de danos que podem ocorrer de um incêndio ou da água”, diz Jennifer. “Existem sensores conectados que podem detectar se há vazamento de água e válvulas de desligamento de água inteligentes. Muitos provedores de seguros estão pesquisando fortemente o fornecimento desses dispositivos aos consumidores, a oferta de descontos ou controlar o que acontece na casa para reduzir o custo dos seguros e também criar uma nova maneira de se envolver com seus consumidores”, destaca.

4 de jan de 2018

Marketing inovador para dispositivos domésticos inteligentes

Fonte: The Market Insider


A Internet das Coisas (IoT) tem sido uma palavra-chave por algum tempo, mas com a ascensão do Amazon Echo e a chegada do Google, da Apple e de outros no mercado doméstico inteligente, talvez seja hora de começar a avaliar esse hype de marketing  sob outra perspectiva?

Com 15 milhões de Echos já vendidos, esses dispositivos são agora mainstream. Com este mercado crescente em mente, bons negociadores estão se perguntando exatamente como eles podem entrar na ação. Afinal, onde quer que os consumidores estejam concentrando sua atenção, os negociadores (ou mesmo apenas as empresas inteligentes) devem estar também.

O que Echo significa para marketing e comerciantes

Em primeiro lugar, é imperativo perceber que o Echo e dispositivos similares são complementos usados como guarda chuvas para dispositivos de venda direta para sua marca. Por exemplo, os usuários do Echo provavelmente duplicarão como consumidores da Amazon. À medida que os consumidores usam o dispositivo para monitorar listas de desejos e descobrir itens, eles são posteriormente solicitados a comprar itens via Amazon.
Mas e o resto de nós? Como as marcas aproveitam esse novo canal? Bem, existem dois elementos principais que precisamos discutir.

Um apelo à busca por voz

O primeiro é bastante simples. Os dispositivos domésticos inteligentes são um impulso para a busca através da voz já bem sucedida. Embora aqueles de nós em uma certa idade achem falar com máquinas inerentemente ridículo, sabemos que os millenials e os mais jovens não têm esse escrúpulo. Embora possa não ser imediatamente óbvio, a busca por voz difere de maneiras muito significativas da pesquisa de texto, especificamente nos termos que são usados.

Enquanto os consumidores abordam uma pesquisa de texto como uma maneira codificada de obter informações de uma tela, eles falam com o Alexa ou o Google Assistant como um amigo querido. Isso significa que as organizações B2C que têm uma quantidade séria investida em SEO (ou seja, quase todas) precisam pensar claramente sobre essas diferenças e levá-las em conta. Aqui estão alguns exemplos:

• Concentre-se em ações e questões naturais. Em uma pesquisa de texto, poderíamos dizer "USA v Brazil kick off". Na voz: "Quando o jogo de futebol dos EUA começa?" "Quando" é a principal diferença aqui.

• Pense na cauda longa. Ainda mais do que no texto, a busca por voz será longa, divertida e imprevisível. Pensar em palavras-chave muito específicas nem sempre pode ser útil.

• Considere o fator local. Em muitos casos, o usuário quer algo agora e em sua área. Eles não estão necessariamente sentados em um computador. Certifique-se de que sua presença local seja refletida online provavelmente ajudará.

Aplicativos

Continuando a usar o Amazon Echo como exemplo, o dispositivo se conecta através do que são chamados de "habilidades" para serviços de terceiros. Exemplos de serviços de terceiros que são o Spotify ou o TuneIn Radio, que na realidade são aplicativos. Assim, o Echo se torna outro canal entre aplicativos de marca e consumidores e esse canal é, em última instância, construído através do aplicativo móvel.

Para os comerciantes, isso significa que se concentrar em maneiras inteligentes de pensar em garantir o aplicativo e a funcionalidade do aplicativo, está disponível para usuários Echo e, por extensão trabalhando com desenvolvedores para garantir a capacidade de resposta aos controles de voz. Isso não deve implicar um grande salto, mas isso significa considerar cuidadosamente a qualidade da experiência do usuário fornecida através da interface de voz. Especialmente em um mundo onde as opções são infinitas, é vital que a sua "habilidade" seja a pessoa a quem o usuário se volta - e continua a ser leal - ao longo do tempo.


O marketing em uma época de tecnologia em constante evolução implica uma autoeducação constante em canais emergentes. Dispositivos domésticos inteligentes são apenas um desses canais e, de forma semelhante, exigem uma nova perspectiva sobre a estratégia.

3 de jan de 2018

Tendencias da arquitetura para 2018: automação / tecnologia embarcada

O site de arquitetura UGREEN publica artigo em seu blog  citando quatro grandes tendencias na arquitetura para 2018. Abaixo reproduzimos o capitulo que trata das questões ligadas à Automação Residencial.

Dispositivos inteligentes estão se tornando mais comuns e mais acessíveis, tanto em termos de facilidade de uso quanto de custo.
Definitivamente, quem hoje está inserido e acostumado a tendências tecnológicas possui poder aquisitivo para esta aquisição — bem diferente de anos atrás — e por consequência um número crescente de casas estão sendo conectadas.
O setor manteve-se totalmente estável em 2016 e 2017 e de acordo com uma pesquisa realizada pela GFK e disponibilizada pela Aureside, 57% da população brasileira acredita que tecnologias em smart home ganharão mais espaço e terão mais impacto sobre suas vidas nos próximos anos, conectando-se cada vez mais com a internet das coisas.
Ainda não é comum encontrar uma casa que venha com esses sistemas já configurados, mas eles estão em alta e o processo de conversão de uma casa normal em um com dispositivos inteligentes interligados é muito mais eficiente do que costumava ser, além de acessível.
Conectores sem fio começam a de tornar tendência na nova geração de celulares, gerando espaço para uma ampla gama de móveis com disponíveis de carga sem fio incorporados.
À medida que esta tecnologia é refinada, novos móveis terão aplicações próprias, e em última instância, poderão funcionar a distância, o que significa que, com a infra-estrutura certa, um dispositivo pode ser carregado apenas por estar no quarto certo.
Já a nível ambiental, veremos também cada vez mais a tecnologia caminhando para obter estes benefícios, como por exemplo dispositivos recicladores de lixo que podem ser embutidos no design de mobiliário de forma prática e acessível.
Além disso, é algo que as pessoas simplesmente querem, conforme podemos ver nos resultados deste projeto do Indiegogo. É uma demonstração de que são tecnologias que vieram para ficar e é por isso que é uma das tendências da arquitetura para 2018.